Terapia Assistida por Animais (TAA) – Você sabe o que é?


img439

Foto: Divulgação Inataa – Na imagem, a cadela sem raça definida, DAMA, em atendimento no Lar Padre Vicente em São Paulo.

“A Terapia Assistida por Animais (TAA) é uma intervenção direcionada, individualizada e com critérios específicos em que o animal é parte integrante do processo do tratamento. Esta intervenção deve ser aplicada e supervisionada por profissionais da saúde, devidamente habilitados, sendo todo o processo documentado e avaliado periodicamente, objetivando promover a melhora da função física, social, emocional e/ou cognitiva dos pacientes.”

De acordo com os registros históricos, a TAA foi utilizada inicialmente em 1792, para auxiliar o tratamento de doenças mentais. A Equoterapia (Terapia Assistida por Equinos) – uma de suas modalidades – registra os primeiros relatos de utilização como tratamento médico no século XVIII, visando à melhoria do controle postural, a coordenação e o equilíbrio de pacientes com distúrbios articulares.

Qual seu benefício e público-alvo?

A TAA tem sido aliada em diversos tratamentos de saúde mental, demonstrando efetivos resultados na melhora da comunicação, autoestima, interações sociais, criação de vínculos, entre outros. Um exemplo bem sucedido da utilização da TAA vem da Psiquiatra Nise da Silveira, que encontrou nesta forma de terapia um potencial auxílio no tratamento da esquizofrenia.

“Especialistas têm considerado que a utilização do estímulo sensorial do tato com a presença e interação dos animais, pode recuperar a auto-estima e a sensibilidade além da reintegração à sociedade por meio da melhora do contato social que o animal permite. A TAA traz consigo um aspecto importante de humanização, pois pode descontrair o clima tenso do ambiente hospitalar, melhorar as relações interpessoais e facilitar a comunicação entre pacientes e equipe de saúde. É indicada para auxiliar nas diversas situações clínicas, pois proporciona benefícios emocionais e espirituais para pacientes.”

O público alvo da TAA é variado: adequa-se a vários tipos de demandas e faixas etárias. Além disso, não se limita apenas a hospitais e clínicas, há formas de intervenção com esta terapia também em casas de repouso, abrigos, escolas, entre outros.

Quais os profissionais envolvidos?

Os profissionais envolvidos na TAA são normalmente da área da saúde (psicólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, médicos, fonoaudiólogos, etc), além de profissionais da área educacional, como pedagogos e também os profissionais envolvidos nos cuidados do animal, como veterinários e adestradores. Estes profissionais estarão diretamente ativos no processo terapêutico de acordo com a demanda e os objetivos da terapia em si.

Quais as espécies de animais envolvidos na TAA?

A equipe profissional é responsável por avaliar a espécie adequada para cada tipo de demanda, levando em consideração o ambiente, o objetivo que se pretende alcançar, as limitações de ambos os lados (paciente e animal), entre outros. O ideal é que o animal seja o mais dócil possível, não representando riscos às pessoas. Normalmente, o cão é o animal mais utilizado, por ser de fácil adestramento e tolerar de forma mais positiva a relação com seres humanos. Existe ainda uma série de cuidados que devem ser levados em consideração pela equipe profissional, como higiene dos animais, exames veterinários sempre em dia, sociabilidade animal, etc.

Em relação aos pacientes que receberão a visita destes animais pela TAA, também há certos cuidados que antecedem o processo, como: estarem de acordo em participarem da terapia com os animais (quando menores de idade, devem contar com autorização de pais ou responsáveis), não apresentarem alergias ou fobias por animais, não apresentar comportamento violento de forma que coloque o bem estar do animal em risco, evitar contato com saliva, urina ou fezes dos animais e informar possíveis incidentes com o animal (mordidas, arranhões, ou alterações de comportamento do animal) à coordenação do programa e à Comissão de Controle de Infecção da instituição para que sejam tomadas as devidas providências.

As organizações Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee (HICPAC), estabelecem outras recomendações ligadas à TAA, levando em consideração a Seleção do Animal, os Cuidados ao Paciente e a Equipe Profissional.

Fonte: Desenvolvimento e implantação de Terapia Assistida por Animais em hospital universitário – http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672009000400024&script=sci_arttext

Algumas instituições que realizam a TAA:

INATAA – http://www.inataa.org.br/?page_id=3147

PROJETO ANIMALLIS – http://www.animallis-taa.com

PÊLO PRÓXIMO – http://www.peloproximo.com.br/

ATEAC – http://ateac.org.br/

OBS.: Todo o conteúdo desta e de outras publicações deste site tem função informativa e não terapêutica.

***

Gostou deste conteúdo?

Compartilhe utilizando um dos botões abaixo!
Cadastre-se também na opção à sua direita “Seguir Psicologia Acessível” e receba os posts em seu e-mail!


10516729_1448233238791949_8127215912485502492_n


Sobre a autora:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, idealizadora e editora deste blog.
CRP: 06/119556

 

6 opiniões sobre “Terapia Assistida por Animais (TAA) – Você sabe o que é?”

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s