Mitomania – Quando a mentira se torna patológica


Por: Ane Caroline Janiro


Ao contrário do que se pensa, o comportamento de mentir característico da Mitomania não é praticado com o objetivo de se obter ganhos externos ou objetivos. Ou seja, um “mitômano” não é aquele que mente em determinadas situações em que sabe que irá se beneficiar ou se safar, nem mesmo é aquele que mente a respeito de quadros de doença para obter atenção especial. A Mentira Patológica está relacionada com fatores internos ao indivíduo (psicológicos).

A Mitomania traz sofrimento e prejuízos para a vida da pessoa e daqueles que com ela convivem. Em alguns casos, porém, este comportamento se torna tão habitual, que aquele que o pratica passa a não mais refletir a respeito e diminui a sua criticidade sobre seus atos. Assim, passa a mentir cada vez mais.

Estas mentiras podem envolver os mais diversos temas e muitas vezes o indivíduo mente de forma discrepante em relação à sua realidade, citando acontecimentos exageradamente impactantes ou incomuns, habilidades das quais não dispõe e ocasiões as quais claramente não vivenciou.
Normalmente as mentiras são descobertas ao serem confrontadas por fontes diferentes e que são ouvintes de tais relatos e então estas pessoas passam a se contradizer e alterar os discursos.

Diagnóstico:

O diagnóstico não é tão simples e envolve uma análise criteriosa sobre o comportamento e o histórico do indivíduo, por isso pode não ser constatada a Mitomania logo nos primeiros contatos. É realizado em geral por um psicólogo ou psiquiatra.

Causas:

Não existe uma causa determinante para este problema, mas sabe-se que alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento do quadro, como aspectos da personalidade da pessoa, ou aspectos ambientais, que envolvem relações familiares, situações específicas vivenciadas, entre outros.
Ainda não existem muitos estudos ou descrições precisas acerca deste comportamento, por isso ainda não pode ser seguramente caracterizado como um transtorno ou síndrome.

Acompanhamento:

O gatilho para que uma pessoa com Mitomania busque auxílio é quando ela é capaz de sentir arrependimento e incômodo por seu comportamento. Ela sabe assim que essa Mentira Patológica traz muitos danos para si e pretende mudar. Ao buscar orientação de um psicólogo, este irá realizar o acompanhamento necessário de acordo com as características apresentadas pelo indivíduo. Caso haja outros quadros envolvidos, como depressão, ansiedade, transtornos afetivos, este paciente será encaminhado também a um Psiquiatra.

Referências:

Hospital Albert Einstein

***

OBS.: Todo o conteúdo desta e de outras publicações deste site tem função informativa e não terapêutica.

Gostou deste conteúdo?

Compartilhe utilizando um dos botões abaixo!
Cadastre-se também na opção à sua direita “Seguir Psicologia Acessível” e receba os posts em seu e-mail!


10516729_1448233238791949_8127215912485502492_n


Sobre a autora:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, idealizadora e editora deste blog.
CRP: 06/119556

4 opiniões sobre “Mitomania – Quando a mentira se torna patológica”

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s