Cotidiano e Curiosidades

Por que vemos figuras nas nuvens?

Pelo mesmo motivo que vemos imagens, objetos e rostos onde eles não deveriam existir. E pelo mesmo motivo que ouvimos sons específicos em ocasiões inusitadas, como por exemplo, quando reconhecemos falas em músicas que são tocadas ao contrário.

Desde criança aprendemos a enxergar diversas figuras observando as nuvens. Vemos rostos, animais, objetos… Mas por que será que vemos estas figuras nas nuvens? Pelo mesmo motivo que vemos imagens, objetos e rostos onde eles não deveriam existir. E pelo mesmo motivo que ouvimos sons específicos em ocasiões inusitadas, como por exemplo, quando reconhecemos falas em músicas que são tocadas ao contrário. Este “fenômeno” é chamado de Pareidolia.

Foto:
Foto: “A face em Marte”, de 25 de julho de 1976 – publicada pela Nasa.

O astrônomo Carl Sagan descreveu a Pareidolia da seguinte forma: “o mecanismo de reconhecimento de padrões em nossos cérebros é tão eficiente em descobrir uma face em meio a muitos outros pormenores que às vezes vemos faces onde elas não existem. Reunimos pedaços desconectados de luz e sombra, e inconscientemente tentamos ver uma face.” A pareidolia então se trata de um fenômeno psicológico que envolve um estímulo vago e aleatório, geralmente uma imagem ou som sendo percebido como algo distinto e com significado. É comum ver imagens que parecem ter significado em nuvens, montanhas, solos rochosos, florestas, líquidos, janelas embaçadas e outros tantos objetos e lugares.

Foto: Imagem dita como a face de Jesus em barranco provavelmente na Colômbia
Foto: Imagem dita como a face de Jesus em barranco provavelmente na Colômbia

A teoria psicológica da Gestalt também tem explicações para este fato, é o conceito de “Figura-Fundo”, que diz que “ao observarmos diversos fenômenos ao nosso redor, tendemos a organizar esses dados de maneira a minimizar as diferenças e mudanças, preservando a sua unidade e integridade. A base deste fenômeno é nossa tendência a perceber uma figura contra o seu fundo. Esse fenômeno pode influenciar nossa tendência a ver configurações, mesmo quando os elementos individuais não mantêm qualquer relação com o composto que vemos; por exemplo, configurações nas nuvens, nas montanhas, etc.” Ou seja, nosso cérebro tem a tendência natural de organizar informações desconexas e fazer com que percebamos algo conhecido em elementos desconhecidos.

Imagem: Exemplo do conceito de Figura-fundo na Gestalt.
Imagem: Exemplo do conceito de Figura-fundo na Gestalt.

“As coisas têm muitos jeitos de ser, depende do jeito que a gente vê.” – Jandira Mansur em “O frio pode ser quente?” ; São Paulo: Ática, 1985.

Referências: http://www.livescience.com/25448-pareidolia.html http://www.igestalt.psc.br/gestalt.htm

OBS.: Todo o conteúdo desta e de outras publicações deste site tem função informativa e não terapêutica.

***

Gostou deste conteúdo? Compartilhe utilizando um dos botões abaixo!

Cadastre-se também na opção à sua direita“Seguir Psicologia Acessível” e receba os posts em seu e-mail!


10516729_1448233238791949_8127215912485502492_n


Sobre a autora:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, idealizadora e editora deste blog.
CRP: 06/119556

um comentário

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s