Cotidiano e Curiosidades

Você se considera preconceituoso? Vídeo surpreendente nos leva a essa reflexão

Uma das principais bandeiras levantadas pelo Psicologia Acessível é a desconstrução de preconceitos e a reafirmação incansável de que todos são iguais. Este vídeo em especial chama atenção pelo sucesso que vem fazendo na internet e também por nos ajudar a reforçar esta causa.

Por: Ane Caroline Janiro

Uma das principais bandeiras levantadas pelo Psicologia Acessível é a desconstrução de preconceitos e a reafirmação incansável de que todos são iguais.

Este vídeo em especial chama atenção pelo sucesso que vem fazendo na internet e também por nos ajudar a reforçar esta causa. Retrata a seguinte cena: uma sala de espera de um consultório médico, um homem e uma família que decide mudar de lugar e se sentar longe dele. O que acontece depois vai te fazer entender o porquê nossos atos de preconceito devem ser repensados.

Assista ao vídeo:

***

Gostou deste conteúdo? Compartilhe utilizando um dos botões abaixo!
Cadastre-se também na opção à sua direita “Seguir Psicologia Acessível” e receba os posts em seu e-mail!


10516729_1448233238791949_8127215912485502492_n


Sobre a autora:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, idealizadora e editora deste blog.
CRP: 06/119556

6 comentários

  1. Estou com 52 anos, e esse ano farei o Enem, desejo ser psicóloga. Amo ajudar as pessoas a lidar com seus conflitos diários. Deus me ajude a concluir, é uma profissão super especial. 😉

    Curtir

  2. Eu queria suscitar uma discussão:

    Considerando o vídeo, o que foi agressivo foi o preconceito formado pela mãe (primeiramente) e pelo pai (logo em seguida), ou o ato de discriminação baseado neste preconceito? Acho que os dois, porque o preconceito foi baseado na raça/etnia do cidadão e o ato de discriminação em si.

    Pergunto isso porque, mesmo não sendo estudioso no assunto, acredito que existem três conceitos importantes nessa questão: esteriótipo, preconceito e discriminação. Eles se relacionam da seguinte forma:

    i) Pessoas criam esteriótipos;
    ii) Com o esteriótipo formado, pessoas julgam previamente pessoas (preconceituam) com base nesses esteriótipos;
    ii) Com base no preconceito, tomam atitudes discriminatórias.

    No entanto, acredito também que:
    a) esteriótipos são estatisticamente inválidos, pois não consideram todo o universo, mas sim uma amostra que, por vezes, é pequena demais para ser representativa;
    b) nem todo preconceito é danoso para outrem. Como exemplo costumeiro meu, costumo falar da sedução: vivemos formando preconceitos sobre as pessoas antes de começar uma conversa amistosa para tentar uma aproximação amorosa.

    Sobre o título do post: sim, eu sou preconceituoso, mas não discrimino pessoas com base nos meus preconceitos!

    Curtir

  3. que lindo vídeo!!!!!! emocionante!!!!!! *—*
    o mundo seria incrivelmente melhor se não existissem pessoas preconceituosas, racistas, etc…
    parabéns pelo site, sempre acompanho os conteúdos…
    meu desejo é um dia também poder me tornar psicóloga! acho essa profissão maravilhosa!

    Curtir

Deixe uma resposta para iaralima Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: