Por que as pessoas regem de forma diferente às mesmas situações?


Por: Psicóloga Ane Caroline Janiro

É interessante observar que as pessoas podem reagir de forma bem diferente às mesmas situações. Há quem encare o fim de um relacionamento, por exemplo, como algo desastroso a ponto de sofrer até mesmo sintomas físicos. Por outro lado, há pessoas que conseguem olhar para este momento de decepção como passageiro, sem perder a fé nos relacionamentos ou se deprimir. Outro exemplo bem ilustrativo também é a perda de um emprego, que é realmente um episódio ruim e, de certa forma, desesperador. Entretanto, apesar do sofrimento existente, algumas pessoas não enxergam a situação como um fim e conseguem se sentir motivadas mesmo perante um cenário pouco favorável, diferente de indivíduos que na mesma situação se afligem de forma intensa e paralisante.

Como é possível que pessoas reajam de formas tão distintas aos mesmos acontecimentos?

Bem, a nossa reação a uma circunstância é formada a partir de experiências e aprendizados passados, ou seja, são geralmente construídos ao longo de nossa história e essa nossa forma de reagir está relacionada aos nossos sentimentos e pensamentos acerca de determinados fatos ou pessoas (o que inclui a nós mesmos). Quando algo que frustra as nossas expectativas acontece, naturalmente iremos trazer à tona pensamentos automáticos que irão gerar os sentimentos e assim reagiremos de determinada forma.

Se uma pessoa construiu ao longo de vida a seguinte crença, por exemplo: “não faço nada certo”/”não sou bom(boa) o suficiente”, ao passar por uma situação ruim, como perder o emprego, logo esses pensamentos virão à tona, gerando frustração, raiva ou tristeza. É claro que é um exemplo bem didático no qual poderíamos nos aprofundar bastante na discussão. Mas há pensamentos e crenças construídas por nós e que são desencadeadas frente às mais diversas situações onde temos o nosso desejo frustrado, é por isso que algumas pessoas lidam tão naturalmente com o atraso do avião e outras o veem como o fim do mundo. Porque cada um tem um histórico diferente de vivências e crenças que lhe gera pensamentos e sentimentos específicos.

O que acontece na realidade é que pessoas vivenciam experiências ruins todos os dias, em toda parte do mundo. É evidente que alguns sofrimentos são inevitáveis e a dor de cada indivíduo deve ser respeitada e acolhida. Sendo assim, não podemos desprezar a dor do outro pelo simples fato de não conseguirmos compreendê-la, já que “eu no lugar dele não sofreria tanto com isso”, pois cada um carrega uma “bagagem”, cada pessoa sofre diferente porque carrega aprendizados e vivências diferentes.

Algumas pessoas tiveram suas “crenças” e “valores”, digamos, estruturadas ao longo de sua vida de forma mais saudável, outras nem tanto. Outras pessoas, apesar de terem sofrido por muito tempo com a falta de assertividade ou com reações intensamente negativas diante das circunstâncias, conseguiram “desconstruir” esses pensamentos automáticos por meio do autoconhecimento.

É aí que entra a psicoterapia. Um momento onde será possível “corrigir” essas crenças sobre si mesmo, sobre o mundo e sobre as situações que foram formadas de maneira equivocada. Reconhecer que esses pensamentos automáticos ocorrem é o primeiro passo. O segundo é trabalhar de maneira a modifica-los para uma saúde mental melhor, uma vida mais assertiva e com menor sofrimento, já que o “sofrer” depende muitas vezes de nossas reações diante dos acontecimentos e não do fato em si.


12009753_1145254608837345_2914420128489159683_n


Sobre a autora:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, Fundadora e Administradora do Psicologia Acessível.
CRP: 06/119556

 


*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

2 opiniões sobre “Por que as pessoas regem de forma diferente às mesmas situações?”

  1. O texto é muito excelente porque objetiva compreensão e (re)conhecimento a respeito da reação de pessoas às circunstâncias inevitáveis. Às vezes, elas ainda estão prontas ou não para lidar com os imprevistos e previstos acontecimentos. Sendo assim, essas circunstâncias implicam maturidade com que as pessoas aprendam a enfrentar os desafios. No entanto, elas tem fé na crença, conseguindo superar essas situações e sofrimentos incuráveis. E todo o mundo sabe que é preciso aprender com erros, porque, ao já aprendermos com os erros, podemos conseguir bom resultado. E mas se perde pessoa, a dor incurável de outra deve ser respeitada e compreendida, porque ninguém sabe o que ela sente quando perdê-la. Por isso, devemos reconhecer algumas mudanças no comportamento psicológico de pessoas que reagem de forma diferente, quando elas perder emprego, o namoro chegar ao fim, divorciar, perder filhos, familiares, assim por diante. Existe algumas pessoas que sentem o medo de estar vulnerável às situações como por exemplo, acidentes, mortes, furtos, homicídios. Por isso, elas preferem a ficar na casa o dia inteiro a passar pra fora. Concluindo-se que é importante que devamos reconhecer a reação de pessoas forma diferente às situações e respeitar dor e sofrimentos dessas pessoas.

    Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s