Superando a culpa


Por: Juliana Lima Faustino

Em algum momento da vida você provavelmente já se sentiu culpado por algo, não é verdade? E como você se sente nesses momentos? Provavelmente péssimo, não é mesmo? A sensação de ter falhado é sem dúvida muito ruim e muitas vezes não sabemos como enfrentá-la. Encarar nosso lado falho e fraco é uma situação que preferimos evitar, a vergonha acaba nos consumindo e tendemos a nos fechar e a sofrer calados.

Superar a culpa não é fácil e se não aprendermos a olhar para ela como uma oportunidade de crescimento, ela pode ser altamente destrutiva. É o caso de pessoas que ficam presas ao passado, remoendo algo que fizeram há muito tempo, perdendo totalmente a esperança no futuro. São pessoas amarguradas, que não enxergam a si mesmas como merecedoras de uma nova oportunidade.

Os momentos difíceis são com frequência revividos porque nosso cérebro tende a reter em nossa memória as experiências negativas que vivemos, como uma forma de nos preparar para futuros perigos que possamos vir a enfrentar. As memórias surgem de forma espontânea emitindo alertas de que algo precisa ser reparado. O fato é que podemos aprender a olhar para essas experiências de uma forma que tiremos o melhor delas.

Superar a culpa não é fácil, mas se entregar a ela com atitudes autopunitivas não ajuda em nada, pelo contrário, só piora a situação.

A superação da culpa vem quando:

1. Entendemos que somos seres falhos, sujeitos a todo tipo de erro, errar faz parte da vida e enquanto vivermos passaremos por essa experiência, por isso aceite o fato de que em algum momento você irá errar;

2. Procure as lições que você pode tirar dessas situações. Aprenda com os erros, eles nos mostram qual o caminho a tomar da próxima vez que você se deparar com aquela situação. Aproveite esses momentos para crescer e não para se diminuir;

3. Superar a culpa não é se livrar totalmente da responsabilidade. Assuma sua parte, mas a parte real da sua parcela de culpa, não tome para si a parte que não lhe cabe, pois isso só irá gerar um peso maior a ser carregado. Uma boa forma de verificar a responsabilidade pessoal é elaborar uma “torta de responsabilidade”: primeiro faça uma lista de todas as pessoas e aspectos envolvidos na situação pela qual você se culpa. Em seguida, desenhe um círculo e distribua fatias que demonstrem a responsabilidade que corresponde a cada pessoa ou aspecto envolvido. Faça a fatia que corresponde a sua parte de responsabilidade por último para garantir que você dará à fatia o tamanho apropriado.

Exemplo de uma “Torta de responsabilidade”:

Capturar22

Este é um exercício simples, mas que ajuda muito a visualizar o quanto de responsabilidade realmente corresponde a você em uma determinada situação. Caso você seja o maior responsável, pense de que forma você poderá reparar seus erros. Geralmente as pessoas tem medo de serem rejeitadas caso revelem seus erros, mas é muito comum a compreensão e perdão por parte das outras pessoas.

4. Minimize os danos, veja como você pode reparar o erro. Se for necessário pedir perdão, peça, enfrente o medo e a vergonha, eles só se fortalecem quando os deixamos escondidos dentro de nós. Faça o que for possível, isso só irá aliviar o peso da culpa;

5. Ainda mais importante que recebermos o perdão dos outros, é perdoar a nós mesmos. Quando perdemos o respeito por nós, nos entregamos ao fracasso, passamos a acreditar nos pensamentos negativos que se formam a respeito de quem somos e perdemos toda fé na pessoa que verdadeiramente somos.

Nossas limitações e falhas não definem quem somos, mas é parte de quem somos. O que precisamos é aprender a lidar com essa parte de nós que preferimos não conhecer. Quando erramos isso não precisa ser o fim, mas o recomeço. Todo dia podemos escolher levantar, sacudir a poeira e fazer tudo de novo. Recomece!

Imagem: Pinterest

Colunista:

Juliana Lima Faustino
CRP 05/43780

Psicóloga clínica (PUC-Rio 2008), terapeuta cognitivo-comportamental (Cepaf-RJ 2011), Psicóloga na ONG Pra Melhor. Experiência clínica no tratamento de transtornos de ansiedade, estresse, depressão, relacionamentos e transtornos alimentares.
Contatos:
Cel: (21) 98108-1978
E-mail: julianafaustinopsi@gmail.com
Fan Page: www.facebook.com/julianafaustinopsicologa
Blog: Cuidando das Emoções: www.psijulianafaustino.wordpress.com
Instagram: www.instagram.com/psico_juliana

 

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

6 opiniões sobre “Superando a culpa”

  1. Querida psicologa luciana
    Esse artigo que gostei mais me ajudou a ajudar e dar conselho mais agradável a outras pessoas que sentiam tão culpadas tanto por tudo quanto por nada. Assim, elas sentiam tão desperzadas e desvalorizadas, sua vida não teve nenhum destino. Por isso, elas já praticaram suicídios. Portanto, o assunto de relevância contribue como recurso psicológico para conscientizar outras pessoas que não não entendem o motivo de pessoas sentindo tão culpadas. Vale a pena reler o excelente artigo. Obrigado por me ajudar… parabéns por isso.

    Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s