Autoestima na gestação e na maternidade


Por: Psicóloga Julia Bittencourt e Tatiana Queiroz

Promovemos uma roda de conversa sobre autoestima e maternidade com gestantes e mães no pós-parto e as trocas foram tão ricas que decidimos transformar em artigo e dividir com vocês. Esperamos que gostem!

 Afinal, o que é autoestima?

No dicionário, autoestima quer dizer: “Característica da pessoa que se valoriza, estando satisfeita com sua maneira de ser, com sua forma de pensar ou com sua aparência física, expressando confiança em suas ações e opiniões: o aumento da autoestima pode melhorar a qualidade de vida”.

Mudanças físicas: No bate papo com gestantes e mães, as mulheres falaram bastante sobre as questões relacionadas às mudanças corporais (aumento da barriga, alargamento do quadril, estrias, olheiras…) e como se sentem cobradas pela sociedade, que tem colocado, através da mídia, modelos a serem seguidos e exigências de retorno rápido à boa forma. Mas, embora a palavra autoestima apareça muitas vezes ligada à aparência física, seu significado vai muito além! Diz respeito a como a pessoa se sente, como ela se enxerga e se está satisfeita e feliz com sua forma de ser e estar no mundo.

Boa mãe: Para além do corpo, notamos que os modelos do que é “ser uma boa mãe”, seja em relação ao tipo de parto, amamentação, forma de educar, entre outras regras, tem minado a confiança das mulheres e, consequentemente, afetado sua autoestima. O resultado costuma ser o aumento da ansiedade e das inseguranças, gerando dificuldade em vivenciar a maternidade em sua plenitude.

Palpites: Outro ponto comum foi o quanto os famosos palpites e opiniões costumam interferir na segurança da mulher nesta fase. Mas vale lembrar: quando a autoestima está boa, as influências externas interferem menos nas suas escolhas, fato que ajuda bastante durante a gestação e a maternidade. Afinal, não podemos evitar que as pessoas falem. Mas quando estamos seguras em relação às nossas escolhas, conseguimos enxergar o palpite apenas como um “palpite”, que não precisa ser seguido.

Influências no casamento, vida social e profissional

Quando a autoestima não vai bem, pode trazer muitas inseguranças, afetando também a relação a dois, ou até mesmo a relação com o trabalho. A gestação e o pós-parto são fases que mexem bastante com a autoestima da mulher, por se tratar de um momento em que os hormônios estão em ebulição e corpo e mente em constante transformação. Como consequência, essa mulher pode sentir ciúmes do parceiro, deixar a vida social de lado, a motivação para o trabalho, entre outros impactos importantes, diminuindo sua qualidade de vida e bem-estar.

E como então melhorar a autoestima?

Em meio a esse turbilhão de emoções, nossa dica é vivenciar cada fase, aproveitando tudo que a maternidade lhe proporciona. Olhe para você e descubra o que você precisa fazer para se sentir bem e mais confiante para enfrentar os desafios de se construir como mãe! Além disso, cuide sempre de você, da forma que você desejar: indo ao salão, praticando atividade física, fazendo ioga ou meditação, lendo um livro, ouvindo uma boa música, tendo tempo para uma sessão de massagem, fazendo terapia… Dessa forma, você vai fortalecer sua autoestima, melhorando sua relação consigo mesma, com o bebê, com seu parceiro e com todos a sua volta!

Sobre as autoras:

Colunista: Julia Bittencourt
CRP 05/49022
Psicóloga clínica com ênfase em Gestalt-terapia e em Terapia Sistêmica, com formação em Psicologia Perinatal e Parental e cursando especialização em Terapia de Casal e Família, além de ter capacitação em Psicologia Hospitalar e Luto. É uma das idealizadoras do Maternar Psi – Núcleo de Atendimento a Mães, Pais, Casais e Famílias. Atende adultos e idosos, além de gestantes, pós-parto, mães, pais, casais e famílias em seu consultório na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá (RJ). Também realiza atendimento domiciliar a gestantes e pós-parto no Rio de Janeiro, além de oferecer atendimento em inglês para estrangeiros.
Sites: www.juliabittencourtpsi.com.br
www.maternarpsi.com.br
Para quem não tem disponibilidade de ir ao consultório ou não mora no RJ, ela faz atendimento online no Terapia de Bolso (acesse aqui).

Tatiana Queiroz
CRP 05/42047

Psicóloga clínica especialista em Gestalt-terapia com ênfase em atendimentos de casais e famílias, e com formação em Coaching Psychology. É uma das idealizadoras do Maternar Psi. Realiza atendimentos a tentantes, gestantes, mães e pais, além de adultos, casais e famílias.
Sites: www.maternarpsi.com.br
www.tatianaqueirozpsi.com.br

Imagem: Pinterest

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

 

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s