Mentira – do início ao fim


Por: Leonardo Domingues

Durante seus 2 primeiros anos de vida a criança tende a iniciar sua comunicação e, desde já, a mentira está presente em nossas vidas.

Mas por que as crianças mentem

O que temos de ter em mente é que todo comportamento da criança é aprendido através das pessoas que rodeiam seu convívio primário, seja ele com tios, avós e principalmente os pais. Muitos pais pensam que a criança é muito pequena e não iria aprender tal comportamento e que isso seria algo genético, mas estão muito enganados. Todo e qualquer comportamento é aprendido principalmente dos pais, que são o maior exemplo de adulto para a criança.

Engana-se quem pensa que a mentira é somente verbal, a criança aprende que a mentira pode ser uma forma de defesa e que há outras formas de mentir, como por exemplo sorrir quando não está tudo bem, escondendo suas angústias e frustrações. Sendo assim, a mentira incorpora tanto a forma verbal quanto a comportamental gestual.

Toda mentira tem um porquê, assim, os pais devem se atentar mesmo às pequenas mentiras, como as usadas por não querer ir para a escola, pois com certeza algo está acontecendo e a criança usa a mentira para encobrir algo que a está fazendo sofrer.

A melhor forma de agir nesses casos é mostrar para a criança que nem sempre precisamos sorrir, que há coisas que não gostamos, que não nos fazem bem e que devemos falar a verdade por mais que doa. Como uma criança que ganha um presente de seus parentes que não gostou, não precisa dizer uma mentira, mas que deve agradecer o carinho e o tempo que a pessoa dedicou para comprar ou até mesmo fazer o presente para ela. A melhor forma é sempre a comunicação.

Durante todo o desenvolvimento passamos por fases e, como se é de esperar, acabamos por reconhecer o certo do errado (na maioria das vezes), e aprendemos que não é certo mentir. Mas quando não mudamos e formamos nossa vida entre pilares de mentiras, isso acaba sendo algo muito perigoso, pois há riscos de desenvolvermos a mentira patológica ou compulsiva.

O que devemos saber sobre Mitomania ou Mentira compulsiva

Trata-se de algo compulsivo, é uma tendência patológica à mentira, e isso acaba por interferir no raciocínio do mentiroso, como se o mesmo mentisse tão bem que acredita na própria mentira e faz dela realidade. Ela pode ser desenvolvida na infância caso não seja tomada nenhuma providência conforme orientado anteriormente.

O que devemos lembrar sobre a diferença entre uma mentira esporádica e a mentira compulsiva é que a pessoa que mente, mente por algo, situação ou acontecimento em particular, por mais simples que seja e normalmente são mentiras pouco elaboradas. Já a pessoa compulsiva pode ser uma pessoa carismática, manipuladora e egocêntrica, que busca trazer para o exterior o mundo de fantasia e mentiras que vive em sua mente.

A Mitomania ou mentira compulsiva tem cura, mas como qualquer problema, a própria pessoa tem que desejar e buscar o tratamento, lembrando que é crucial o apoio da família e amigos para que isso aconteça.

O tratamento baseia-se em tornar consciente para o indivíduo os prejuízos que seu comportamento trouxe tanto para ela quanto para terceiros. É necessário acompanhamento psicológico e caso haja algum quadro de depressão e ansiedade é recomendado o acompanhamento psiquiátrico.

Caso não procure tratamento, o indivíduo tende a destruir os relacionamentos por não trazer confiança. Além dos problemas sociais, a pessoa pode acabar tendo problemas legais, tendo que pagar por algo que poderia ter sido evitado caso buscasse tratamento.

Hoje, a Psicoterapia tem se mostrado um dos poucos métodos em que pode se notar grande evolução nos casos de Mitomania ou Mentira Compulsiva.

Imagem: Pinterest

Colunista:

Leonardo Domingues
CRP 06/133444

Formado pela UNIARA, é Psicólogo Clínico e atende em Jaboticabal/SP na Rua Floriano Peixoto, 1517 – Centro.
É escritor e cartunista.
Contatos:
WhatsApp: (16) 99775-6457
Instagram: @leonardo_psi
E-mail: leonardo.psico@terra.com.br

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível” e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

 

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s