Precisamos parar de comparar as crianças


Via Catraquinha

Meninos que não querem jogar futebol; meninas que não querem dançar Ballet; crianças que não se interessam por outras crianças e preferem ficar sozinhas; pressão por desempenho em meninos e meninas superdotados. A professora Zenita Guenther, em uma entrevista inspiradora concedida à revista Época, aponta todos esses elementos como responsáveis por “marcar” as crianças como diferentes e possivelmente acarretar traumas e dificuldades de autoaceitação. Na entrevista, ela defende o acompanhamento cuidadoso e ininterrupto da família na vida dos pequenos e na construção do modo como elas se perceberão por toda a vida.

Zenita é umas das grandes referências brasileiras em superdotação. Em suas entrevistas, ela defende o papel da família de proporcionar segurança e acolhimento às crianças, já que a carência desses elementos, sobretudo em crianças mais inteligentes do que média, pode ocasionar ansiedade e traumas psicológicos.

Aposentada pela Universidade Federal de Minas Gerais, a professora fundou o Centro para o Desenvolvimento do Potencial e do Talento em Lavras, Minas Gerais, um dos primeiros institutos a trabalhar com superdotação com foco em três vertentes: o atendimento a crianças, a famílias e a formação de professores.

Para ela, a comparação e o senso de competitividade são os grandes vilões do pleno desenvolvimento da infância. Zenita costuma dizer que se os pais pararem de comparar seus filhos com as outras crianças e começarem a respeitar o que elas verdadeiramente são, metade daquilo que as famílias percebem como “problemas” acaba. “Qualquer comparação é negativa para a criança”, ela diz.

Psicóloga de formação, Zenita é mestre em Orientação e Aconselhamento Psicológico pela Universidade South Florida e Ph.D. em Psicologia da Educação, pela Universidade da Flórida.

Para inspirar pais, educadores e professores que querem se instrumentalizar para lidar com o assunto, a entrevista está disponível online na íntegra. Assista e inspire-se:

 

Imagem: Pinterest

Fonte: Catraquinha

 

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Uma opinião sobre “Precisamos parar de comparar as crianças”

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s