Fome de que?


Por: Cristiane Dias Salvadori

Dentre as patologias da atualidade que vem desafiando os profissionais da área da saúde, encontramos os distúrbios alimentares: a anorexia e a bulimia. Ambos são uma manifestação de um sofrimento psíquico, que se apresenta através de sintomas associados as questões alimentares. Tais sintomas escondem angústias ligadas a momentos primitivos da constituição psíquica.

Anorexia vem do grego OREXIS que significa desejo, precedida do prefixo “a” de negação, então anorexia significa negação do desejo. O que mais querem é comer, mas temem e recusam a ingestão de alimentos. A especificidade da anorexia diz respeito a uma restrição alimentar, metódica e acentuada, associada a um emagrecimento significativo que não parece suscitar preocupação no sujeito. Faz parte do quadro anoréxico a amenorreia, a hiperatividade, as mudanças de humor e os problemas na percepção do corpo.

Já a bulimia tem sua origem grega, com o significado de “fome de boi”. Trata-se de uma vontade incontrolável de comer, com comprometimento do senso crítico em relação a quantidade, qualidade ou combinação dos alimentos. Consomem com rapidez grande quantidade de alimentos, levando a pessoa a um desconforto físico e psíquico, sentindo a necessidade de provocar vômitos, bem como uso indevido de laxantes e diuréticos.

É comum tanto à anorexia quanto à bulimia o temor intenso de ganhar peso, assim como uma perturbação na percepção do corpo, suas sensações, sua forma, suas dimensões, seu contorno, o que caracteriza uma distorção da imagem corporal.

É importante que esses pacientes busquem auxílio de uma equipe multidisciplinar, composta por nutricionista, médico (caso exista a necessidade do uso de medicação) e psicólogo.

Através da psicoterapia, abrem-se espaços para o questionamento: de que vazio é esse que está precisando ser preenchido com o alimento? Que sentimentos que não estão sendo elaborados psiquicamente que precisam ser “vomitados”? O que está sendo recusado através da recusa alimentar? É preciso auxiliar essas pessoas na nomeação de seus afetos, auxiliando-os a colocar em palavras as suas dores psíquicas, ampliando o conhecimento de si mesmos, transformando, assim, a comida que era algo tóxico, destrutivo, em comida nutritiva e amorosa.

Imagem: Pinterest

Colunista

Cristiane Dias Salvadori
CRP 07/10857

Psicóloga Clínica e Educacional
Especialista em Neuropsicopedagogia e Educação Especial Inclusiva
Contato:
(51)99914-3842
Email: cris.salvadori@yahoo.com.br

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Uma opinião sobre “Fome de que?”

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s