O poder do não


Por: Leonardo Domingues

Quantas vezes você se deparou com uma situação onde preferiu se sacrificar a fazer alguém infeliz? Parabéns, você é o herói da história. Pense bem: nos contos de fadas os heróis sempre se sacrificam, arriscam a vida afim de salvar ou ajudar alguém por mais perigoso que seja e no final tudo fica bem, mas infelizmente a vida real não é assim.

As pessoas tem o hábito de pensar que é errado se colocar em primeiro lugar e querer a própria felicidade em primeiro lugar. Devemos ser felizes e buscarmos a felicidade e o amor próprio começando pela palavra “NÃO!”. Certamente você pensou em algum momento em que devia ter dito não ao invés de sim, estou certo? Somos humanos e odiamos ver as outras pessoas sofrerem, mas seu pensamento vai mudar ao final desse texto, pode ter certeza!

Dizer o não é se entender como indivíduo com vontades próprias, é deixar a baixa autoestima de lado, é deixar a vontade de agradar os outros e deixar aquele sentimento que achamos que é educação, mas que na verdade é subserviência. Dizer não é se impor como pessoa e entender que você tem necessidades e direito de recusar algo buscando a sua felicidade, tudo bem se você não quer algo, tudo bem contrariar alguém, a vida da outra pessoa não vai acabar se você recusar algo a ela. Lembre-se que você não precisar ser o herói.

Os relacionamentos são feitos de trocas, consenso de ambas as partes, mas se você tem alguém que só quer ou exige que você faça somente algo que a faça feliz, pare e pense: por que a felicidade dela é mais importante do que a minha felicidade? Priorize-se!

Há momentos na nossa vida em que somos pegos de surpresa sem a chance de recusarmos ou até pensarmos para que possamos responder, mas devemos pensar muito pra saber se realmente queremos por nós ou para agradar os outros. Decisões em cima da hora como viagens, relacionamentos, família, não são decisões que devemos tomar em uma mesa de bar, envolvem pessoas e seus sentimentos e devem ser bem planejados sempre. Sugestionar, quantas vezes você não estava afim de algo e a pessoa ficou lhe dando motivos para fazer, fazendo com que a partir desses motivos você fizesse o que ela gostaria?

Mude um dia de cada vez, pense que a mesma felicidade que a outra pessoa busca você também tem direito. Coragem! Não estou dizendo em momento nenhum para ser egoísta mas que busque a felicidade, uma felicidade saudável. Se machucar só para ver a felicidade no olhar do outro é preocupante, deve-se dizer a si mesmo “eu sou o herói da minha vida, hoje irei dizer não!”, a única pessoa para a qual você deve satisfação no final do dia é você e somente você. Se imponha, tenha personalidade, reconheça seus limites, pare de buscar a felicidade dos outros e seja feliz!

Imagem: Link

Colunista:

Leonardo Domingues
CRP 06/133444

Formado pela UNIARA, é Psicólogo Clínico e atende em Jaboticabal/SP na Rua Floriano Peixoto, 1517 – Centro.
É escritor e cartunista.
Contatos:
WhatsApp: (16) 99775-6457
Instagram: @leonardo_psi
E-mail: leonardo.psico@terra.com.br

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s