Coluna Camila Martins Fernandes Transtornos de Conduta

Falando um pouco sobre TOD

No TOD o comportamento da criança vai além de uma simples birra, até porque alguns comportamentos opositivos temporários são comuns em determinadas faixas etárias e fazem parte do desenvolvimento normal da criança.

Por: Camila M. Fernandes

O TOD (Transtorno opositivo desafiador) é uma condição comportamental muito comum em crianças em idade escolar.

O TOD consiste em um padrão de comportamentos negativos, hostis e desafiadores, de forma persistente. Esses comportamentos são observados nas interações sociais da criança. Ocorre principalmente com adultos e com figuras de autoridade, mas também aparece na interação da criança com os colegas da escola.

O TOD pode ser e/ou estar relacionado com outras questões comportamentais e pode proceder ao desenvolvimento do transtorno de conduta, uso abusivo de drogas entre outros.

As principais características do transtorno opositivo desafiador são: perda frequente de paciência, discussão com adultos e figuras de autoridade, recusa a obedecer e seguir regras, se aborrece com facilidade e mostra-se muito raivoso, agressivo e irritado. São crianças que tem dificuldade em controlar seu comportamento e suas emoções.

Os ambientes mais comuns para manifestar os sintomas são na escola e em casa. Esses sintomas acabam gerando prejuízo não somente na vida escolar, mas também na área social e ocupacional.

No TOD o comportamento da criança vai além de uma simples birra, até porque alguns comportamentos opositivos temporários são comuns em determinadas faixas etárias e fazem parte do desenvolvimento normal da criança. No TOD lidamos com crianças que apresentam sintomas severos que podem gerar prejuízos em várias áreas da vida, atrapalhando principalmente o relacionamento familiar.

Vale ressaltar que nem toda agitação de uma criança é sinal de algum transtorno, há agitações comuns em crianças. Crianças costumam ter bastante energia e de vez em quando acabam desobedecendo regras ou até mesmo desafiando adultos, com o objetivo de testar sua autoridade, mas a preocupação dos pais ou responsáveis deve existir quando esse comportamento agitado e desafiador começa a prejudicar a vida da criança em família, na escola e na sociedade como um todo.

A avaliação e diagnóstico devem ser feitos por um Neuropsiquiatra ou Neurologista, ambos infantis.

Critérios Diagnósticos:

Um padrão de humor raivoso/irritável, de comportamento questionador/desafiante ou índole vingativa com duração de pelo menos seis meses, como evidenciado por pelo menos quatro sintomas de qualquer das categorias seguintes e exibido na interação com pelo menos um indivíduo que não seja um irmão:

  1. Com frequência perde a calma;
  2. Com frequência é sensível ou facilmente incomodado;
  3. Com frequência é raivoso e ressentido;
  4. Frequentemente questiona figuras de autoridade ou, no caso de crianças e adolescentes, adultos;
  5. Frequentemente desafia acintosamente ou se recusa a obedecer a regras ou pedidos de figuras de autoridade;
  6. Frequentemente incomoda deliberadamente outras pessoas;
  7. Frequentemente culpa outros por seus erros ou mau comportamento;
  8. Foi malvado ou vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis meses.

O TOD é dividido em três eixos:

– Humor raivoso/irritável (item 1,2 e 3 citados acima);
– Comportamento questionador/desafiante (item 4, 5, 6 e 7 citados acima);
– Índole vingativa (item 8 citado acima).

Na escola:

– Discute com professores e colegas
-Recusa-se a trabalhar em grupo
– Não aceita ordens
– Não realiza deveres escolares
– Não aceita críticas
–  Deseja tudo a seu modo
– Responsabiliza os outros por seu comportamento

Suas causas são complexas e multifatoriais. Existem os fatores biológicos, psicológicos e sociais.

Transtornos associados ao TOD: TDAH (Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade), Transtorno de ansiedade generalizada, depressão infantil, Transtorno de humor bipolar.

Tratamento:

– Medicamentoso: ajudam no manejo doa sintomas e podem diminuir a impulsividade, agressividade e nervosismo (vale lembrar que a medicação é utilizada apenas quando o diagnóstico for feito e por orientação médica caso seja necessário o uso).

– Psicoterapia na abordagem cognitivo comportamental: visa diminuir o negativismo e modificar as habilidades de comunicação, controle do impulso e treino de habilidades sociais.

– Psicoeducação: informar e orientar pais e familiares sobre o diagnóstico, sintomas e tratamento.

Referências:

TEIXEIRA, G. O reizinho da cada. Manual para pais de crianças opositivas, desafiadoras e desobedientes. 5ª Ed. Rio de Janeiro, 2014.

DSM-V- Manual Diagnostico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª Ed, 2014.

Imagem: Pinterest

Colunista:

Camila M. Fernandes
CRP: 06/109118

Psicóloga Clínica. Formada pela Universidade São Judas Tadeu.
Aprimoramento Clínico na Abordagem Cognitiva pela Universidade São Judas Tadeu.
Atendimento no Tatuapé, Zona Leste de São Paulo-SP
Contatos:
E-mail: psico.camilamartins@gmail.com
Facebook.com/psicocamilafernandes

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

10 comentários

  1. Olá
    Esse artigo me ajudou bastante, minha filha tem todos esses sintomas o psiquiatra infantil pediu um exame que se chama “anamnese” creio que seja para diagnosticar alguns desses transtorno

    Curtir

    1. Olá Vânia, anamnese é o nome que os profissionais da saúde dão para uma “entrevista” inicial para coletar algumas informações, dados que irão ajudar a entender o histórico do paciente, os sintomas (ou demanda) que ele apresenta e possível diagnóstico. São perguntas que o profissional irá fazer ao paciente (e familiares, como é o caso do atendimento a crianças), que tem o objetivo de compreender melhor tudo o que o paciente apresenta e definir a melhor estratégia de trabalho.
      Abraços!!

      Curtir

  2. Olá eu tenho um sobrinho ,que tem todos os sintomas de TOD ….
    Vou pedir minha irmã para levar ai médico….
    Muito útil esse artigo

    Curtir

  3. Queria saber como faço para ter mais informação e onde procurar saber mais sobre se meu filho precisa fazer exames para o tratamento.obrigada.

    Curtir

  4. Meu filho tem todos esses sintomas,é como se tivessem falando dele.Já levei ele no clinico que pediu um relatorio da escola,e ele logo suspeitou do tod e encaminhou para o neuropediatra.Agora espero que seja logo diagnosticado, pois é muito dificil se sentir incapaz de educar seu filho.

    Curtir

  5. li a materia e amei falou muito sobre o que eu precisava´gostaria de ficar mas informada sobre ,se tiver algo a acrescentar me mande.

    Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s