Desmistificando o cuidado em saúde mental


Por: Patrícia Franklim

Porque falar sobre saúde mental conota uma sensação estranha, como se estivéssemos entrando num assunto pesaroso? Historicamente a saúde mental parece estar intrinsecamente ligada à compreensão de loucura, como se a única realidade possível a se falar dentro desse universo temático fosse correspondente ao adoecimento psíquico do ser humano. Existe muito mais a se falar em promoção do bem estar e qualidade de vida do que imaginamos.

É sim de grande relevância falarmos sobre isso. Não propomos um modismo, nem “teorias” sobre felicidade pautada em argumentos superficiais. Estamos falando de relações humanas mais leves, de qualidade de vida para cada sujeito, falamos de autoconhecimento, de amor próprio e de responsabilidade consigo mesmo. É sobre vidas e cuidado humano, sobre a capacidade de zelar por si mesmo e fazer escolhas mais assertivas.

Por isso eu te convido a responder: Você tem cuidado da sua saúde mental com semelhante empenho como cuida da saúde física? Mas a questão aqui não é discutir qual a mais relevante, afinal o ser humano é composto de corpo, mente e espírito. Logo, ambos merecem e NECESSITAM da nossa atenção e cuidado.

Atualmente é emergente a busca pela conscientização em massa acerca da “fragilidade” mental e emocional que a população tem se deparado. Não é só repetir o discurso de que “a população está adoecida” ou “que mundo doente este em que vivemos”. Na verdade, precisamos e temos o dever de cuidarmos mais de nossas emoções e de nossos estados mentais.

Como? A percepção de si é primordial nesse processo para colaborar com um desenvolvimento mais saudável e direcionado para os aspectos relevantemente positivos do homem.

Nesse momento a ajuda profissional é indispensável para auxiliá-lo no reconhecimento de si mesmo. Falar exige coragem sim e é tão favorável ao teu próprio bem estar! Entenda que suas emoções e sentimentos merecem ser vividos e expressados com autenticidade e inteireza. É necessário nos permitirmos pensar diferente sobre os sabores e dissabores da vida. Se ambos te pertencem, ambos pedem um espaço para manifestação livre. Já imaginaram se aprendêssemos a cuidar de nossa saúde mental e emocional? Por mais empoderamento sim. Precisamos e devemos “aprender” a cuidar de nós mesmos!

Imagem: Pinterest

Patrícia Franklim
CRP 19/2857

Psicóloga formada pela Faculdade Pio Décimo. Possui capacitação na área de Psicologia da saúde no atendimento adulto às gestantes e puérperas; e no Sistema de Prevenção e tratamento do Uso abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas. Experiência na área social com ênfase em relações grupais e dinâmicas de grupo. Tem experiência clínica em relacionamentos e auto-estima. É ainda idealizadora e responsável técnica dos projetos: “Positive-se: desenvolvendo relações mais humanas” e “MaternaPsi: gestando emoções”. Atende em Aracaju- SE
Contatos:
(79) 998418181 / 999016523
E-mail: patriciapsiacp@gmail.com
Facebook.com/MaternaPsiaju
Instagram: @maternapsiaju

 

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s