O dia que decidi ser mais forte que os meus medos


Por: Cleunice Paez

Você já parou para pensar que muitas de suas crenças vem da sua infância e podem fazer você se tornar uma pessoa rígida, autoritária, cheia de rancor e mágoas?

Diria que um dos sentimentos mais banais e profundos da humanidade é a raiva. A raiva é capaz de transformar uma pessoa a exercer ações que muitas vezes desacreditamos. Há a raiva pelas atitudes do outro, raiva de si por aceitar certas coisas, ou até mesmo por não conseguir outras coisas, isso gera uma imensa frustração, decepção e por muitas vezes um sentimento de luto, de perda.

A vida vai perdendo o sentido e você não sabe qual a saída, não sabe qual rumo tomar, se vê perdido. Para onde foram suas esperanças e todos aqueles desejos da infância?

A criança cresceu, foi tomando forma de adulto, agora, com inúmeras responsabilidades, se vê no desespero, precisa de um colo, um colo de si mesmo. Deixou de acreditar no que era capaz, passou a viver no automático e em certo momento se dá conta que não sabe qual o sentido daquilo tudo.

Encontra-se assim? Está na hora de analisar o que pode ser feito para que haja uma mudança. Terá que resgatar forças imensas, forças que muitas vezes não sabe de onde tirar, mas você pode acreditar, quando pensar que tudo se esgotou, ainda restarão 10% de sua força armazenada. Utilize estes 10%, busque! Todos têm, inclusive você. Esta reserva será o suficiente para promover uma mudança, por menor que seja.

Todo mundo nasce sem objetivos de vida, com o tempo eles começam a ser pensados, modificados. O que não pode ocorrer, é você não ter nenhum objetivo. Precisa encontrar qual o seu sentido de viver.

O que gosta de fazer? O que um dia desejou fazer ou ter? Se lembra de quando você era pequeno, ainda criança, e sempre falava o que seria quando crescesse? Agora você cresceu e poderá ir atrás de tudo que imagina. Que os sonhos sejam alcançáveis e realizáveis, nada o impedirá de tentar. Porém, não basta tentar, deverá se comprometer. Se comprometa a tudo que for possível, a tudo que deseja ter, a menos que você esteja em seus últimos dias de vida, ainda assim poderá realizar algum desejo.

Parece algo ambicioso, e de certa forma é sim, mas o ser humano precisa de ambições, nem somente o aspecto financeiro, mas sonhos produzíveis.
Pense no que realmente importa na sua vida. O que você realmente tem vontade de fazer na vida? Às vezes algo que abominamos, na verdade são nossas maiores vontades, mas o medo é tão grande, que nos faz desacreditar  que algo possa ser feito.

Se muitos alcançaram desejos, o que te faz pensar que está tão longe? Muitas vezes o apego em demasia é tão prejudicial quanto a falta de apego. Ao que realmente você tem apego? Carreira, família, bens materiais? Esse apego muitas vezes nos aprisiona, nos sufoca, priva de liberdade. O desapego deve ser sadio, com responsabilidade.
Um fator que aprisiona as pessoas são os padrões excessivos, definição de metas, objetivos, rotina, será que isso realmente é necessário?
Os padrões rígidos de comportamento te impedem de ver o mundo de outra forma, te condicionam a ter sempre os mesmos comportamentos diante de um fato. E se de repente, você reagir diferente?

O que aconteceria se tudo que você acredita se quebrasse? Certamente, já deve ter tido a sensação de desejar muito algo, mas quando esse algo ocorre, o sentido se perde. O que será que ocorreu com todo aquele desejo de conseguir, e quando você realmente alcançou tudo mudou de rumo e perdeu o sentido novamente?

A vida precisa de novos sentidos, ciclos diferentes. Talvez não precise mudar de emprego, nem desapegar de pessoas, mas precisa dar novos sentidos! Traçar uma nova caminhada.

Não deixe que o medo o atormente, as pessoas deixam isso acontecer diariamente. Medos foram feitos para serem enfrentados e não para os carregarmos como uma cruz. Os medos te testam para saber até onde você é capaz de chegar.

Ou você enfrenta os seus medos, muda seus comportamentos ou estará condicionado a viver infeliz, tudo isso porque tem medo de transformar sua vida e se surpreender se ela acabar se tornando tudo aquilo que sempre quis?

Então projete seu futuro e siga em frente, a vida não fica esperando você decidir parar de sofrer. Só você poderá fazer isso por ela. E a partir de hoje, escolha como deseja contar sua história. Faça sua vida ter um sentido. Medos estão ai para serem derrubados, não para você alimentá-los!
Siga em frente!

Imagem capa: Pinterest

Colunista:

Cleunice Paez
06/103445

Psicóloga pela UNIP
Especialista em Terapia Cognitiva Comportamental – CETCC
Especialista em Psicologia Jurídica – UNICID
São Paulo- SP
Contato:
(011) 970172525 
http://www.psicologavilamariana.com.br
Email: paez.psicologa@gmail.com

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

3 opiniões sobre “O dia que decidi ser mais forte que os meus medos”

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s