Caule: A dicotomia entre o oculto e o aparente


Por: Claudiane do Rocio Quaglia Nunes

Desde épocas mais primitivas de nossa história, as plantas têm suma importância em nossas vidas. Entre tantos outros atributos, elas trazem consigo, como um todo, ideias de liberdade e de autonomia.

Elas, as plantas, também nos ensinam algo, aspecto este que comumente esquecemos. Se analisarmos as flores especificamente dentre este universo multifacetado, podemos perceber que elas agregam um colorido em nossa paisagem, deixando assim o aspecto cinzento e tímido, dando lugar para tantas cores e vivacidade.

As flores aparentam, ao mesmo tempo, força e fragilidade, pois superam-se e passam por diferentes adversidades para permanecerem vivas, irradiando sua beleza e agregando ao mundo sentidos peculiares de cada espécie.

Comumente, as flores são abordadas repetidas vezes em poesias, músicas e romances. Pouco se discorre, porém, sobre o caule.

Talvez por não serem tão vistosos, ficam opacos e até despercebidos perante a magnitude das flores. Entretanto, são os caules que sustentam toda a planta. Trata-se de uma haste das plantas vascularizadas, provida de ramos e/ou folhas, ligada à parte subterrânea ou raiz.

Existem caules diferentes, com características peculiares. Muitos são julgados pela sua aparência, podendo transparecer rigidez ou flexibilidade, mas independente destes aspectos, a função do caule é a de sustentação. Escondem-se para que a magnitude das flores seja apreciada.

Todos nós, em algum momento da vida, somos caules. Caules dos nossos amores, de amigos, de filhos, de pais e até mesmo caules em nossas profissões. Por que não? Como mencionou Glauber Lima: “Uma planta com o caule flexível resiste mais a uma ventania, do que uma árvore de tronco rígido”.

Não estamos em evidência sempre como as flores e nem precisamos disso. Ter a ciência de que podemos apoiar alguém e que podemos, como um caule, realizar uma ligação entre o que alguém almeja e a sua realização, isso nos traz uma grande satisfação.

A dicotomia entre o oculto e o aparente nos assola. Muitos almejam e acreditam que o fato de estar aparente e em evidência é o que traz satisfação. Se bem analisarmos o valor de estar oculto, podemos perceber o sucesso daqueles que amamos, sabendo que contribuímos com a felicidade deles.

Ao admirarmos uma flor, a atenção poderá se voltar para o caule e tudo com uma outra perspectiva. A beleza maior ao ver uma flor, pode não estar nela somente, mas na planta como um todo. O caule faz parte deste todo.

Imagem capa: Pinterest

Claudiane do Rocio Quaglia Nunes
CRP nº 06/134348

Psicóloga Clínica e Pedagoga
Formada pela Universidade Nove de Julho
Especialista pela Uninter em Psicopedagogia
Atende em São Paulo/SP
Observações: idealizadora do projeto Ideais de Mim
Contato:
claudianequaglia14@gmail.com

Blog: http://ideaisdemim.blogspot.com.br/

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s