A Psicologia Humanista de Carl Rogers utilizada na intervenção ao Bullying


Por: Renan Gomes Lara

Nos primeiros anos de vida escolar iniciamos nosso convívio social, porém em algum momento da nossa vida presenciamos, ou mesmo ouvimos determinados tipos de insultos, tratados como “brincadeiras inocentes”, ou seja, apenas “provocações” de colegas. Sabemos hoje que o Bullying não é um fator raro, já perpassa há muito tempo, porém sempre retorna com uma nova roupagem e não advém somente em sala de aula, transpõe extramuros, se revelando como padrão de comportamentos aprendidos, em geral, no seio familiar.

O Bullying é um fenômeno repetitivo do comportamento que prioriza a desigualdade de poder sobre o outro, se traduz em prejudicar a pessoa mais fraca e tentar desestruturar a igualdade em sua tomada de decisão, sendo assim, limita a dinâmica da vítima em vários aspectos: físico, mental, social ou emocional (HABER, 2012).

Os estudos apontam que as vítimas que sofreram Bullying, podem desenvolver o dobro de transtornos nesses aspectos citados, contrapondo a uma crianças que nunca sofreu algum tipo de maus-tratos, sejam eles físicos, sociais ou psicológicos por colegas. As pesquisas revelaram dados alarmantes, de modo que tal violência se propaga, sendo assim pode quadriplicar as chances das vítimas desenvolverem mais sintomas.

A maneira como os profissionais propõem sua atuação no contexto educacional é de suma importância. O objetivo é priorizar as relações interpessoais no ambiente escolar, sendo assim, orientar os alunos a serem autênticos na tomada de decisão e prevenção desse fenômeno crescente, de forma que possamos compreender as possíveis causas e consequências para os envolvidos.

Carl Rogers (1902-1987) desenvolveu uma teoria humanista, na qual entendia o ser humano como responsável pelo seu crescimento pessoal, capaz de se desenvolver e se aceitar.

Barbosa e Barros (2016) apud Rogers (1997) corroboram afirmando que a facilitação no modo de trabalhar com a equipe educacional é muito importante para o psicólogo, e deve-se buscar compreender três aspectos fundamentais, como: congruência, consideração positiva incondicional e compreensão empática.

De modo que entendemos que a congruência é um termo utilizado quando se refere ao grau de exatidão entre a experiência da comunicação e a tomada de consciência, ou seja, o equilíbrio, o estado de coerência interna e autenticidade do indivíduo, levando-o a aceitar os sentimentos, experiências e atitudes do outro. Sendo assim, a consideração positiva incondicional é maneira que a pessoa aceita a totalidade do outro, em sua maneira incondicional. E a compressão empática é a forma que percebemos os sentimentos e pensamentos do outro. É preciso propor a experiência de novas vivências para compreender de fato tais aspectos.

O professor, sendo o primeiro meio de acesso do aluno à sociedade extra-familiar, pode identificar possíveis comportamentos que sinalizam o Bullying, a fim de auxiliar na prevenção ao tema abordado. A abordagem de Carl Rogers dá ênfase nesta meta, visando facilitar o relacionamento dos alunos, de forma que um possa aceitar o outro de maneira integral, difundindo os valores humanistas.

Referências:

BARBOSA, R. A. D; BARROS, B. P. D. A abordagem rogeriana como uma possibilidade de intervenção, prevenção e combate ao bullying. Capa. V. 11, n. 1. 2016. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/6571/5705 Acesso em: 13 de Abril de 2017.

HABER, Joel. Seu filho X bullying: ajude seu filho a combater provocações, insultos e agressões para sempre / Joel Haber e Jenna Glatzer; [tradução Renata Marcondes]. –Barueri, SP: Novo Século Editora, 2012.

Imagem capa: Pinterest

Colunista:

Renan Gomes Lara

Estagiário em uma ONG não governamental.
Atuou na promoção da saúde com escuta qualificada,
acolhimento e informações aos usuário do
Sistema Único de Saúde – SUS em
Unidade de pronto atendimento – UPA.
Estudante de Psicologia na Faculdade Unigran Capital
em Campo Grande – MS.
Atuou na Caravana da Saúde na cidade de Campo Grande.
Participa de projetos voltados a área da psicologia.
Contatos:
Whatsapp: (67) 99269-9508

E-mail: reenamportales@gmail.com

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s