Setembro Amarelo: uma reflexão na Abordagem Centrada na Pessoa


Por: Renan Gomes Lara

A psicologia em seu amplo campo de estudo e abordagens teóricas, preocupa-se em apoiar a capacidade de crescimento do ser humano, compreendendo e aceitando seus sentimentos e emoções de forma singular. Desse modo procura estar integrada às práticas na saúde pública.

No mês de setembro do ano de 2014 teve o início a temática da prevenção ao suicídio, apresentado como grave problema de saúde pública em território nacional, estando entre as dez principais causas de morte na população mundial de todas as faixas etárias. Segundo Schlösser, Rosa e More (2014) a compreensão abrange sentido das práticas da ideação suicida – (ideias e desejos), e as condutas (comportamentos suicidas), sendo assim, o ato sem morte ou o próprio suicídio consumado.

Nesse contexto a Abordagem Centrada na Pessoa – ACP contribui para a prevenção e promoção da saúde, e para o desenvolvimento interpessoal em suas dinâmicas de comportamento. A compreensão necessária e suficiente à mudança da personalidade pesquisa sobre tais condições do funcionamento do self (eu) e a interação com o ambiente. Para Bacellar, Rocha e Flôr (2012), “A capacidade do indivíduo de superar as dificuldades advindas da intersecção existente entre condições ambientais, aspectos físicos, psíquicos e sociais” (p.130). Assim, esta será uma das formas de prevenção para o suicídio.

A ACP compreende a ampliação para além dos contextos clínicos terapêuticos, ou seja, se posiciona juntamente com a educação, as relações interpessoais, conflitos entre grupos e a clínica ampliada. As atitudes tomam outras vertentes diversificadas, porém sem perder a sua essência proposta pelo psicólogo Carl Rogers (1902-1987). Para Tassina et al (2011) “a psicoterapia individual, a intenção focalizada na reorganização da personalidade e o fenômeno das relações, portanto a implementação das atitudes facilitadoras” (p. 190). Nessa perspectiva a busca de satisfação aplicada nas relações interpessoais e atitudes facilitadoras na abordagem centrada na pessoa seriam: congruência, empatia e consideração positiva incondicional.

O psicólogo é o grande facilitador para se fazer ressoar o diálogo da prevenção ao suicídio, e não devemos nos pautar apenas ao mês de Setembro para discutir essa temática repleta de tabus. Compreender essa discussão nos mais diversos contextos da relações humanas, considerar os aspectos emocionais e sociais para o seu processo de saúde, a fim de promover a sua autonomia no cuidado individual, resgata a necessidade de relações interpessoais autênticas como veículo de prevenção e promoção a saúde.

Referências:

BACELLAR, A; ROCHA, J. S. X; FLÔR, M. D. S. Abordagem centrada na pessoa e políticas públicas de saúde brasileiras do século XXI: uma aproximação possível. Rev. NUFEN [online]. v.4, n.1, janeiro-junho, 127-140, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rnufen/v4n1/a11.pdf Acesso em: 10 de Setembro de 2017.

SCHLÖSSER, A; ROSA, G. F. C; MORE, C. L. O. O. Revisão: Comportamento Suicida ao Longo do Ciclo Vital. Trends in Psychology / Temas em Psicologia – 2014, Vol. 22, nº 133, 1-145. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v22n1/v22n1a11.pdf Acesso em: 10 de Setembro de 2017.

TASSINA, M. A; BACELLAR, A; ROCHA, J. S. X; FLÔR, M. D. S; MICHEL, L. P. A inserção da abordagem centrada na pessoa no contexto da saúde. Revista do Nufen – Ano 03, v. 01, n. 01, janeiro – julho, 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rnufen/v3n1/a11.pdf Acesso em: 10 de Setembro de 2017.

Imagem capa: Pinterest

Colunista:

Renan Gomes Lara

Estagiário em uma ONG não governamental.
Atuou na promoção da saúde com escuta qualificada, 
acolhimento e informações aos usuário do 
Sistema Único de Saúde – SUS em 
Unidade de pronto atendimento – UPA.
Estudante de Psicologia na Faculdade Unigran Capital 
em Campo Grande – MS.
Atuou na Caravana da Saúde na cidade de Campo Grande.
Participa de projetos voltados a área da psicologia.
Contatos:
Whatsapp: (67) 99269-9508

E-mail: reenamportales@gmail.com

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

 

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s