Depressão: o último estágio da dor humana


Por: Mariana Pavani

A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que 350 milhões de pessoas ao redor do mundo sofram com a depressão. Atualmente esta é a principal causa de problemas de saúde e incapacitação mundial. No Brasil, cerca de 11,2 milhões de pessoas receberam esse diagnóstico em 2014. Além de ser apontada como a principal causa de suicídio.

Afinal, você sabe o que é depressão? Como reconhecer seus sinais? Como é o tratamento? Muitas vezes a pessoa reconhece que há algo errado consigo, porém, crê que ser passageiro, assim como as pessoas a sua volta, sendo comuns conselhos como “vai passar”, “você precisa sair mais de casa” ou “é frescura”.
Depressão é baseada numa forma muito particular e avassaladora de tristeza, assim a pessoa sente a morte em vida. A noção de tempo é que ele está parado, por isso não encontra motivações para continuar sua vida e realizar atividades rotineiras. O sentimento de vazio é intenso, viver parece um enorme sacrifício, muitos sentem uma perda de identidade, além de dificuldades na concentração, faltam prazeres e alegrias em sua forma de encarar a realidade. Nada adiantam campanhas de conscientização como “Setembro Amarelo”, o qual tratou sobre o suicídio, se continuarem estas banalizações sobre a dor psíquica.

O quadro não seria decorrente somente de vivências atuais, mas certamente a pessoa viveu falhas anteriores em suas relações, e no momento do desenvolvimento do quadro, algo ocorreu de modo consciente, ou inconsciente, que desencadeou naquele ser um intenso sentimento de vazio e desamparo, sendo persistente e assim podendo ser chamado de depressão.

É necessário um tratamento médico e psicológico associados. As medicações podem contribuir significativamente para a melhora na parte química da doença. Porém, a psicoterapia é essencial para que o paciente possa lidar com as causas do problema e desmontá-lo, entendendo o porquê seu psiquismo desenvolveu o quadro, podendo gerar elaborações e reflexões sobre si com o auxílio do psicólogo.
Um conselho para amigos e familiares de pessoas que sofrem com a depressão é de acabar com os conselhos e discursos de otimismo, pois isso só aumenta o sentimento de impotência e fracasso. A vida não pode ser banalizada, é importante priorizar os cuidados consigo mesmo e com quem precisa. Busque sempre ajuda profissional.

Imagem capa: Stocksnap.io

Colunista:

Mariana Pavani
CRP 06/136363

Psicóloga psicanalítica clínica.
Formada pela Pontifícia Universidade católica de Campinas
e cursando especialização em psicanálise pelo CEFAS.
Atendimento clínico em Campinas-SP.
Autora do Instagram @psicanalisetododia
Contato:
E-mail: marianapavani@gmail.com
Celular: (19)997538573

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

2 comentários em “Depressão: o último estágio da dor humana”

  1. Bom dia!! Esses e-mails do psicologia acessível vem me ajudando mto,pois fui diagnosticada com depressão grave e às vezes até eu acho q é falta de esforço meu mas os e-mails me fazem entender melhor a depressão e q são sintomas.As vezes encaminho p meu marido para q ele tenha paciência comigo.obrigada!!

    Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s