Autoestima e Motivação Coluna Claudia Cruz

5 dicas para aprender a dizer “não”

“O fato de dizer sempre sim em vez de dizer não, acarreta em sobrecarga e, muitas vezes, gera somatizações”.

Por: Claudia Cruz

A dificuldade em dizer “não” está fortemente relacionada com a baixa autoestima e com a autoestima frágil. Pessoas com essa dificuldade tem medo de que os outros possam não gostar delas, tem a necessidade em agradar para se sentirem aceitas e amadas; e preocupações sobre o que as pessoas pensarão ao seu respeito caso diga “não”.

Com isso acabam dizendo “sim” para tudo e para todos, o que significa um sofrimento, pois sua comunicação acaba se tornando passiva com todas as pessoas com quem convive. Além disso:
Dizer “sim” quando se quer dizer “não” faz você…
• Se sentir sobrecarregada(o);
• Fazer algo que não quer;
• Agradar os outros e se desagradar;
• Escolher o bem estar do outro e deixar o seu de lado;
• Experimentar emoções negativas como raiva, frustração, stress e medo;

– Medo do que podem pensar;
– Medo em decepcionar a pessoa;
– Medo em magoar;
– Medo de conflito no relacionamento com: amigos, familiares, chefes etc;
– Medo de rejeição;
– Medo de ser criticada(o);
– Sentir se culpada(o);

Todos esses sentimentos atrapalham o processo de mudança do comportamento em dizer “não” tornando-se um ciclo vicioso, por assim dizer.

5 dicas para aprender a dizer “não”
Dizer “não” é uma habilidade que se aprende ao longo da vida e que envolve pensamentos, sentimentos e crenças pessoais.
Se você está com dificuldade em dizer “não” há algum tempo e isso tem sido uma tarefa difícil e desgastante, segue abaixo 5 dicas que te ajudarão a desenvolver essa habilidade com eficácia:

1. Comece recuperando sua autoestima para que sua autoconfiança também se fortaleça.
Dificilmente você conseguirá dizer “não” se sua autoestima estiver baixa ou mesmo frágil, possivelmente dirá “sim” para o que não quer e “não” para as oportunidades, pois um fator importante estará enfraquecido: sua autoconfiança.

2. Analise o pedido
Pergunte a si mesmo se quer realmente aceitar o pedido, pense nas vantagens em dizer “não” e o que vai te custar o “sim”, como: estresse, mais responsabilidade, tempo e etc. Se houver mais vantagens em dizer não, então justifique (diga não). Se achar necessário peça um tempo para pensar e analisar com calma o pedido. Exemplo:
• “Posso te dar uma resposta depois?”
• “Vou pensar com calma e depois entro em contato.”

3. Diga “Não” com firmeza
Diga “não” com firmeza, com clareza, com justificativa breve e não um monte delas. Assuma suas próprias escolhas e não fique pensando em tudo o que a outra pessoa pode estar pensando. Apenas justifique, pois o que ela vai pensar será um trabalho dela e não seu. Exemplo:
• “Eu entendo a sua necessidade, mas simplesmente não posso te ajudar agora.”
• “Não posso me comprometer com isso agora, estou com outras prioridades.”

4. Ofereça outras alternativas
Ofereça outras alternativas possíveis, caso haja possibilidade. Assim você estará contribuindo para ajudar a resolver a situação. Exemplo:
• “Por que você não fala com “fulano”, talvez ele(a) possa te ajudar”.

5. Dica extra: Faça Terapia
Caso não consiga praticar essas dicas acima, faça terapia, pois ela pode te ajudar nesse processo, trabalhando especialmente crenças irracionais e limitantes, sentimentos negativos, pensamentos distorcidos e automáticos, além de outras técnicas cognitivas que poderão te ajudar a desenvolver outros comportamentos como assertividade para melhorar a comunicação e a autoestima.
Por fim reflita…
“O fato de dizer sempre sim em vez de dizer não, acarreta em sobrecarga e, muitas vezes, gera somatizações”. (Adilsa Sakashita)

Imagem capa: Pexels

Colunista:

Claudia Cruz de La Libra e Silva 
CRP 06/103587

Psicóloga Clínica/Terapeuta Cognitivo Comportamental
Formada pela Universidade Padre Anchieta/SP
Atende em Barueri/São Paulo
Contato:
Email: contatopsicologaclaudiacruz@gmail.com

Blog: psicologaclaudiacruz.com
Facebook: facebook.com/maisautoestimapsiclaudiacruz/

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


PNG - ONLINE IMAGE EDITOR - Copia.png

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

3 comentários

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s