Coluna Maria Emília Bottini Crônicas Reflexões

Menino que amadureceu antes do tempo

A vida pode ser muito dura, mas ainda assim podemos enfrentá-la bravamente.

Por: Maria Emília Bottini

A imagem que ilustra esta crônica foi apresentada pelo noticiário nacional em uma tarde de janeiro desse ano. Ela me fez pensar com carinho na grandeza desse garotinho, envelhecido pelo frio da zona rural da China. Ele entendeu precocemente sobre responsabilidade e não ficou se lamentando por elas, fez sua parte enfrentando o mundo branco da neve fria e gélida. Essa cena me comoveu e me tocou profundamente.

Acredito na educação como uma das possibilidades de mudar nossa realidade nua, crua e desigual. Essa notícia percorreu o mundo e certamente outros, como eu, foram tocados pela grandeza desse pequeno menino-grande. Mas o que há de tão extraordinário na notícia? Por que ela nos tocou tanto?

Esse menino-grande é um exemplo de algo que parece estar se perdendo nos dias de hoje nas escolas brasileiras, que é a vontade e o desejo de aprender, de fazer sua parte, de ir à escola e não faltar. Muitos que conheço por aí desejam apenas um diploma universitário, mas ele não precisa ter absolutamente nada dentro, pode estar oco, visto que para preenchê-lo é preciso esforço e grandeza pessoal de assumir sua parte no processo de aprender.

Escola é assunto sério para esse garoto chinês de apenas oito anos chamado Wang Fuman. Para frequentar a escola diariamente, ele caminha cerca de 4,5 quilômetros por dia sob a temperatura de aproximadamente nove graus abaixo de zero, o equivalente a uma hora e meia de caminhada entre a cidade de Ludian, área rural da província de Yunnan, e o vilarejo de Xinjie, ambos ao sul da China. Por que ele fez isso nesse dia? Ele tinha uma prova. O diretor contou que Wang é muito bom aluno e costuma tirar notas altas em matemática.

Assim como ele, outras crianças vivenciam a situação diariamente no vilarejo.

Wang mora em uma casa de barro com teto de palha, junto com a avó e a irmã mais velha. A mãe deixou a família e o pai não retorna para casa tem meses, pois trabalha em outra cidade. No país há outros como eles e são conhecidas como “crianças abandonadas”, pois elas não vivem com os pais porque eles trabalham em outros municípios. Apesar de realidade cruel, ele nunca falta às aulas. Talvez tenha entendido em tão tenra idade, que sua vida é dura e que a escola representa uma réstia de possibilidade de mudança.

O que me fascinou nele é sua garra, a vontade de aprender, a responsabilidade independente do clima e das condições que ele vive, ele foi para a escola, ele fez a sua parte. Ele pagou um preço por isso? Evidente que sim. Suas mãos se queimaram pelo frio terrível que o acompanhou no caminho. Ao observar melhor a imagem acima seus colegas estão rindo dele. Esse é o outro preço que pagou, o de ser ridicularizado pelos colegas que riem dele. Crianças não são só boazinhas umas com as outras, elas podem ser más e cruéis em qualquer lugar do mundo. Do que riem seus colegas? Riem do menino que no caminho para a escola envelheceu? Riem pelo esforço físico de ir, de seguir em frente apesar do que estava sentindo? Ele poderia ter parado no caminho e ter congelado até a morte, mas não o fez, ele caminhou, ele seguiu em frente e chegou à escola um velho-menino.

Do que rimos nós? Essa cena não é engraçada, ela é forte, é lição de vida a nos ensinar que quando queremos fazer algo, o fazemos, mas quando não queremos encontramos desculpas, justificativas.

Não tive como não pensar nos alunos “adultos” que encontrei pelo caminho. Reclamam do texto longo demais, da prova escrita, do filme que a assistir, da presença em sala de aula, do trabalho que tem que entregar, do esforço… Reclamam, reclamam, reclamam. Parece que estar na sala de aula é uma tortura ao corpo, à mente e não discordo porque aprender cansa e dói, porém também pode ser prazeroso e divertido, mas é preciso participar do processo. Atitudes que beiram a infantilidade a apontar que não desejam crescer, desejam permanecer no mundo infantil, naquele que alguém realiza o desejo. Geralmente pais infantilizados criam filhos infantis e imaturos que não amadurecem para assumir responsabilidades mínimas da vida, esquecendo-se que infantilidades não forjam homens para o mundo.

Enquanto isso na China, Wang cresce de tamanho na caminhada diária para sua escola e nos ensina que crescer é necessário mesmo que isso provoque dor. Ou se corre o risco de passar pela vida apenas reclamando, sem entender que somos parte da solução e da mudança que tanto almejamos, é preciso assumir esse lugar.

Por que esse menino não deu desculpas para não ir a sua escola? Estava tão frio, ele queria estar lá e foi, se lançou no branco da neve. Ele poderia não ter conseguido? Sim, mas morreria tentando. Por vezes desistimos sem termos neve no horizonte ou sobre nossa cabeça ou sob nossos pés, o que temos é a falta de desejo a congelar nossas possibilidades.

Wang virou notícia e me comoveu. Sua professora tirou fotos e as publicou na rede social a denunciar que a escola não é só um lugar de ir fazer uma prova, é lugar em que meninos envelhecem e aprendem que a vida pode ser muito dura, mas ainda assim podemos enfrentá-la bravamente.

Imagem capa: stocksnap.io

Colunista:

Maria Emília Bottini
CRP nº: 07/08544

Formada pela Universidade de Passo Fundo (RS);
Professora da Universidade Regional Integrada (URI);
Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo (UPF);
Doutora em Educação pela Universidade de Brasília (UnB);
Autora do livro “No cinema e na vida: a difícil arte de aprender a morrer”;
Assina a coluna “Trocando Ideias” do blog da Clínica Ser Saúde Mental de Brasília.
Contatos:
emilia.bottini@gmail.com.
Página do livro:
Facebook.com/Nocinemaenavidaadificilartedeaprenderamorrer
Clínica Ser Saúde Mental – Coluna Trocando Ideias:
http://sersaudemental.com.br/blog/

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


 

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s