Inclusão

Descobri que meu filho é surdo, e agora?

Qual caminho seguir quando um bebê nasce surdo?

Por: Mariana Santos

Um dia assistindo ao documentário “Sou Surda* e não sabia”, parei para observar um pouco da dinâmica da criança surda dentro de uma família ouvinte. A gestação é um momento em que a família cria muitas expectativas sobre o sexo do bebê, sobre suas características, se nascerá saudável, entre outros… Mas o que acontece quando seu filho(a) nasce e você descobre que ele é uma criança surda?

Após esta descoberta os pais passam pelo processo de luto, pois as expectativas que criaram sobre o bebê não foram correspondidas. Além disso, poucas famílias têm conhecimento a respeito da surdez e acabam não sabendo como lidar com ela.

Quando a criança realiza os exames e constatam que é surda, os profissionais da saúde instantaneamente trazem aos pais ferramentas de como “eliminar” a surdez. E apresentam os caminhos para oralizar a criança surda e assim deixá-la “normal”. E muitas vezes pela carga emocional e até pela falta de conhecimento com relação à surdez, os pais seguem as orientações sem encontrar outras alternativas.

Nenhuma criança vem com manual de instruções que mostre como devemos proceder. Como com qualquer outra criança cabe a cada família avaliar o caminho que deseja seguir. Porém, gostaria de compartilhar um pouco sobre o que tenho observado na maioria das dinâmicas familiares entre criança surda e família ouvinte e assim deixar mais uma opção para que os pais decidam como querem seguir.

Com a tentativa de que a criança seja “normal”, muitas famílias acabam fazendo com que ela se adapte à dinâmica familiar, em poucos casos ocorre o contrário, a família se adaptar à criança. Assim, por vezes as crianças são submetidas a oralização, leitura labial, sem nenhum contato com a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), passam por cirurgias, entre outros procedimentos, porém acabam não se integrando aos ouvintes, nem conhecendo a comunidade Surda. Muitas vezes, essas crianças não conseguem se integrar à própria família, pois em um almoço de domingo por exemplo, compreende pouco do que está sendo dito.

Mas como a família poderia se adaptar à criança? Um alternativa, que considero muito enriquecedora para a família e para criança, é conhecer a comunidade Surda e a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais). Assim, a criança passa a ter referências de pessoas Surdas e assim sentir que também pode fazer suas conquistas.

Tornar-se pai e mãe não é uma tarefa fácil, quando a criança nasce há a necessidade dos pais de se adaptarem ao bebê, sendo ele surdo ou não. Porém a surdez não pode ser encarada como um fator limitante, mas sim como uma característica. Em alguns casos, os pais precisam de uma orientação psicológica de um profissional que compreenda a surdez e a cultura Surda, a fim de auxilia-los a lidar no cuidado com a criança.

* Utilizo no texto a palavra “surdo” para distinguir do termo “deficiente auditivo”, ao contrário do que se imagina o termo não é pejorativo e identifica a pessoa que possui uma surdez profunda, sendo o termo “deficiente auditivo” direcionado às pessoas com surdez leve a moderada. Também utilizo “Surdo” com “S” maiúsculo para identificar a pessoa Surda inserida na comunidade Surda que compartilha de valores, história, língua e cultura.

Mariana Santos
CRP 06/126116

Psicóloga clínica bilíngue, atendimento em Português e Língua Brasileira de Sinais.
Graduada em Psicologia pela UNIP.
Atende na Chácara Santo Antônio (Z/S) e próximo ao metrô Tatuapé (Z/L) – São Paulo
Contatos:
Fone: (11) 95490-5944
E-mail: marianasantos.psico@gmail.com
Site: https://marianasantospsico.wixsite.com/marianasantospsico
Facebook: facebook.com/psicologamarianasantos

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


 

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

4 comentários

    1. Olá Cristileine. Infelismente há poucos psicólogos com conhecimento em LIBRAS no consultório particular, na rede publica não é diferente. Aqui em São Paulo, temos a clinica da Derdic, que no curso de especialização, oferecem atendimento a comunidade surda.

      Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s