Coluna Juliana Lima Faustino Psicossomática Saúde Mental e Emoções

Quando o corpo pede socorro

Os diversos sintomas psicossomáticos estão sempre indicando que é preciso parar e ver o que precisa ser mudado.

Por: Juliana Lima Faustino 

Quantos de nós somos acometidos por dores, desconfortos, irritabilidade, desânimo, fadiga, sem nos preocuparmos com o que sentimos? Somos assim, ignoramos os sinais que o corpo nos dá de que as coisas não andam bem conosco.

O nosso organismo é bem preparado para enfrentarmos perigos e ameaças. Logo que nosso cérebro percebe que estamos em perigo, uma série de hormônios e substâncias químicas entram em ação para que nosso corpo esteja pronto para lutar ou fugir. Contudo, a ativação prolongada desse mecanismo de defesa pode sobrecarregar o nosso cérebro e fazer com que todo o corpo adoeça.
Dessa forma, nosso corpo vai resistindo aos impactos de uma vida corrida e estressante por muito tempo até que chega o momento em que ele começa a dar sinais de exaustão. E apesar dos gritos de socorro que o organismo emite durante tanto tempo, muitas pessoas só dão atenção quando vão parar no hospital com sérios problemas de saúde.

O fato é que todos nós estamos expostos a diversas circunstâncias que afetam o nosso equilíbrio emocional, mas vivemos tão alheios ao nosso estado físico e mental que não percebemos o quanto nosso corpo pode estar sofrendo. Quantas pessoas são pegas de surpresa quando escutam do médico que o problema que elas têm é de origem emocional? E muitas nem sequer imaginam as razões pelas quais podem estar com um problema emocional.

Precisamos aprender a observar e ouvir o nosso corpo pois somos limitados na nossa capacidade de suportar adversidades e nem sempre vamos passar ilesos pelas circunstâncias difíceis. De vez em quando nosso cérebro dá sinais de que precisa de um período de pausa para repor as energias, vez ou outra ele vai indicar que é preciso desacelerar. Os diversos sintomas psicossomáticos estão sempre indicando que é preciso parar e ver o que precisa ser mudado.
Em nossa sociedade as pessoas estão sempre aumentando seus conhecimentos, sempre buscando alguma forma de crescer profissionalmente e ter uma vida confortável que lhes permita usufruir de tudo que almejam. Mas, mesmo com tudo isso, elas estão cada vez mais emocionalmente doentes, pois priorizam tantas coisas em detrimento da sua qualidade de vida e equilíbrio emocional.

O estilo de vida que temos atualmente, de muita correria, de desempenho de diversas funções, de muitos compromissos e atividades, requer de nós uma atenção cada vez maior com a nossa saúde. Se ignorarmos os alertas do nosso corpo podemos pagar um alto preço. Então, observe-se e respeite-se, sua saúde merece.

Imagem capa: Pexels

Colunista:

Juliana Lima Faustino
CRP 05/43780

Psicóloga (PUC-Rio) / Terapeuta Cognitivo-comportamental (Cepaf-RJ) 
Blog: www.psijulianafaustino.wordpress.com
Facebook: facebook.com/julianafaustinopsicologa
Canal no Youtube:
https://www.youtube.com/channel/UCtGUtUqB0cALcAU7xqJHGcw

Instagram: @cuidando_das_emocoes

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


 

Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

 

 

2 comentários

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s