Amor Coluna Joscelaine Lima Relacionamentos

O amor é a gente que faz!

Amar é verbo e verbo é ação.

Por: Joscelaine Lima

Como estamos no mês dos namorados, o assunto do texto é amor. Mas o que é amor? Será aquele sentimento que leva os apaixonados a fazerem loucuras para estarem juntos? Seria o esquecer do mundo e não medir as consequências das atitudes para estar com alguém, mas assim que surge alguém mais “importante” o sentimento já muda?
Não, isto não pode ser amor, não o verdadeiro amor. Aliás, atualmente é raro um amor verdadeiro, pois o ser humano está cada vez mais egoísta e individualista. A este respeito, estive observando nestes dias enquanto fazia uma viagem e usava o GPS para orientação e refletindo sobre como a vida fluía antes das tecnologias e me dei conta de que o desenvolvimento tecnológico tem afastado as pessoas umas das outras.

Antigamente, mesmo já existindo mapas, a forma mais utilizada para encontrar um determinado lugar ou pessoa era o “boca a boca”, no qual se parava e perguntava a alguém como encontrar, o que hoje não é necessário, já que o GPS nos informa tudo!
Neste sentido percebemos que as demais tecnologias como smartphones, jogos eletrônicos, lojas online, entre outras, também contribuem para o afastamento entre as pessoas, pois já não é preciso um encontro com amigos e familiares para curtir e se divertir, como não é necessário encontrar com uma equipe para um jogo ou conversar pessoalmente com um vendedor.

Não estou de modo algum fazendo uma crítica às tecnologias, pois são muito positivas e úteis, quando usadas de forma consciente e sábia. É muito bom poder escolher um produto sem sair do conforto de casa, assistir a um filme na internet, conversar com pessoas que estão fisicamente distantes e matar um pouco a saudade.
Mas o que quero dizer é que estas tecnologias não devem, de maneira alguma, substituir o encontro pessoal, o contato físico, o calor humano, o abraço, o carinho, que são coisas que nos fazem tão bem, que liberam hormônios positivos, que trazem felicidade verdadeira. Não podemos deixar que as tecnologias falem mais alto que a humanidade, não podemos permitir que os sentimentos tornem-se supérfluos como têm se tornado, pois é tão fácil apaixonar e desapaixonar, já que é simples substituir o que foi importante em um momento por algo que parece melhor.

Não podemos deixar que a contemporaneidade nos afaste como tem afastado e torne dispensável o compromisso, a responsabilidade, o amor duradouro e profundo, que une duas pessoas não apenas pelo que podem oferecer, mas pelo que podem ser.
Que possamos nos encontrar de forma verdadeira e continuar amando mesmo após conhecer os defeitos do outro, pois o amor não é paixão, amar não é apenas um sentimento. Amar é verbo e verbo é ação, então, vamos AMAR de forma consistente, porque Amor é a gente que faz!

Imagem capa: Pexels

Colunista:

Joscelaine Lima
CRP: 12/14672

Psicóloga em Centro de Referência de Assistência Social – CRAS em 
São Miguel do Oeste-SC e Psicóloga Clínica 
Contatos: 
Facebook.com/JoscelainePsicologia
Whatsapp: (49) 992028970

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s