Convivência/Sociedade Reflexões

“Padrão de beleza” e saúde mental da mulher

Constantemente assistimos às propagandas de “como retirar estria”, “como perder peso mais rápido com jejum intermitente”, “procedimentos estéticos na promoção”... Somos bombardeados diariamente com essas notícias. Para uma mulher que apresenta baixa autoestima, está acima do peso ou até mesmo não está de acordo com o padrão, isso acaba se tornando um gatilho para sua saúde mental. 

Por: Tatiana Mendes Rocha

Manequim 38, 60 kg (no máximo), preenchimento labial, cintura bem fininha, rosto bem maquiado e dezenas de tratamentos estéticos faciais e corporais. Realidade da mulher Brasileira?

A busca por esse padrão de beleza tem se tornado insano. Recentemente as redes sociais ficaram impactadas pela quantidade de casos (incluindo morte) em que mulheres foram expostas a procedimentos estéticos extremamente perigosos. A aceitação no meio social e a elevação da autoestima são os principais fatores pelos quais esses procedimentos são procurados. As mulheres se tornam cada vez mais escravas da mídia e da moda, o que vem consequentemente afetando a sua saúde mental. Nas redes sociais é possível ver a gama de profissionais voltados para área de beleza “vendendo o seu peixe”, utilizando de modelos magras e bem sucedidas como exemplo de destaque. Sabe-se que hoje, a indústria de cosméticos e beleza é a que mais cresce no Brasil, ainda mais quando se está próximo do verão. Os gastos ficam mais elevados e a procura pelas academias e clínicas de estéticas aumentam exorbitantemente.

Mas quem define esses padrões de beleza?

A mídia. Constantemente assistimos às propagandas de “como retirar estria”, “como perder peso mais rápido com jejum intermitente”, “procedimentos estéticos na promoção”… Somos bombardeados diariamente com essas notícias. Para uma mulher que apresenta baixa autoestima, está acima do peso ou até mesmo não está de acordo com o padrão, isso acaba se tornando um gatilho para sua saúde mental.

De acordo com DINIZ (2006), o Brasil é vice-campeão em cirurgias plásticas no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. Logo, os números se tornam testemunha da busca pela aparência dita como perfeita.

Segundo uma pesquisa realizada pela Gazeta Esportiva (2017), ao todo no Brasil, foram feitos mais de 430 mil procedimentos na face e 358 mil cirurgias de mama. Mesmo em tempo de crise e instabilidade financeira, os investimentos na beleza são fortes, sendo realizados mais de 18 milhões de cirurgias em todo o mundo desde o ano 2015. As mais realizadas no Brasil são: colocação de próteses nas mamas, lipoaspiração, a blefaroplastia (procedimento feito para remover o excesso de pele nas pálpebras), a abdominoplastia e a rinoplastia.

Falar desse padrão de beleza vai além de ter uma vida saudável e dieta balanceada. Estamos falando sobre o real prejuízo que isso tem causado nas mulheres e nas consequências como: depressão, alterações no humor, ansiedade, isolamento social e também os distúrbios alimentares. As mulheres criam expectativas com seu próprio corpo, criam metas absurdas que não estão de acordo com sua estrutura corporal e acabam virando estatística de algum transtorno. Precisamos entender que esse padrão está longe de ser o ideal, principalmente pela diversidade do nosso País. E por não considerar essa diversidade, o padrão se torna opressor e influencia diretamente na insatisfação pessoal da mulher.

Diante disso, precisa disseminar ainda mais a busca pela aceitação. Hoje se escuta mais sobre emagrecer e ser perfeita do que se dedicar a cuidar da saúde mental. Entender sobre seu corpo, seu metabolismo e aceitar cada ruga ou defeito é uma dádiva. Ter uma relação íntima com o seu corpo é essencial. É um processo de construção da subjetividade. Claro que sempre terá a influência cultural, os padrões de comportamento e o modo como a mídia interferem na percepção do corpo feminino, mas como disse, é um processo.

O que podemos tirar de positivo com toda essa informação? Muitas mulheres estão assumindo suas medidas, seu corpo, suas marcas corporais, seu tipo de cabelo, suas ideologias… E são esses exemplos que devem encorajar e empoderar mais mulheres. Respeite o seu corpo, suas experiências, busque o seu equilíbrio e se cuide. Jamais coloque sua saúde mental em risco para conquistar um padrão de beleza imposto pela sociedade. SE AME!

Referências:

DINIZ, Tatiana. Novo conceito de beleza abandona perfeição e prioriza saúde. Folha de São Paulo, 2006. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u4102.shtml.

GAZETA ESPORTIVA. Vida saudável e bem estar, 2017. Disponível em: https://vidasaudavel.gazetaesportiva.com/bem-estar/brasil-e-o-segundo-no-ranking-mundial-de-cirurgias-plasticas/

Imagem capa: Pexels

Tatiana Mendes Rocha
CRP 03/12609

Psicóloga, especializanda em Terapia Cognitivo-Comportamental. 
Formada pela Faculdade Castro Alves, 
especializanda pelo Centro Universitário Amparense. 
Atende em Salvador/Bahia.
Contatos: 
tatianamendesr@gmail.com
Instagram: @psitatiana

*Ao reproduzir este conteúdo, não se esqueça de citar as fontes.


Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!
Cadastre-se também na opção “Seguir Psicologia Acessível”e receba os posts em seu e-mail!


Sobre o Psicologia Acessível (saiba mais aqui).

 

Dica de livro sobre os padrões de beleza (link para a loja na imagem):

Capturar

 

2 comentários

  1. Tatiana, gostei de seu texto muito importante como conselho amigável para as mulheres, pois elas precisam de tempo ou um minuto para pensar antes de realizar cirurgias, com intenção de seguir o padrão de beleza de corpo. Assim, citei “As mais realizadas no Brasil são: colocação de próteses nas mamas, lipoaspiração, a blefaroplastia (procedimento feito para remover o excesso de pele nas pálpebras), a abdominoplastia e a rinoplastia”. O rios de propagandas, mídias relativas ao padrão de beleza podem inundar a mente de mulheres, o que as levariam a morte psicológica. Para mim, a busca excessiva pelo padrão de beleza de CORPO já virou a doença psicológica, porque elas não pensam que é importante dedicar a saúde mental e de alma. Assim, tenho a absoluta certeza de que criar e preocupar excessivamente com expectativas com seu corpo pode causar grande prejuízo à saúde mental e de alma, mas principalmente á saúde de tipos de relacionamentos tais como familiares, amigos, assim por diante, uma vez que realizar DESNECESSARIAMENTE cirurgias pode trazer muitas consequências tais como mudanças nos comportamentos humanos tais como psicopata social, pensamento disfuncional, entre outras.
    Mas uma coisa muito importante é que cuidar de corpo, amar o corpo e si mesmo é indubitavelmente uma dádiva e que a aceitação de defeitos tais como rugas no canto de olhos é essencial.
    Mas Está de parabéns, por isso.

    Curtir

  2. Parabéns pela reportagem, acho mega válido discutir estes assuntos, sou profissional de saúde e percebo cada vez mais pessoas ‘com medo’ de envelhecer, algo tão natural e bonito, e isso vem causando alguns transtornos psicológicos em algumas pessoas que ficam paranóicos(as) com a beleza e estética.

    Curtir

Deixe um comentário (seu e-mail não será publicado)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s